A McKinsey publicou um artigo esse mês sobre tendências para o novo consumidor. Mesmo reconhecendo que ainda estamos em transformação (e que a pandemia não terminou), é importante começar a pensar em macro-tendências para o mercado. E como isso pode afetar o seu negócio.

No artigo eles buscam chegar em uma visão holística do que seria esse consumidor pós-COVID-19, e elencam três aspectos mais importantes:

Observamos mudança de comportamento em oito grandes áreas das nossas vidas: trabalho, educação, comunicação, mobilidade, consumo, vida doméstica, entretenimento e saúde/bem-estar.

A vida doméstica passou a se misturar com o trabalho ao passo que milhares de trabalhadores passaram a exercer suas atividades em casa. Não apenas o consumo de conteúdo, entretenimento e acesso a educação passou a ser digital, mas também a área da saúde e consumo em geral passou a ser preferencialmente a distância. Com 80% de redução na mobilidade (em viagens turísticas) e um aumento de 20x no número de usuários do Zoom descreve muito bem nosso cenário atual.

É interessante entender que as mudanças não serão homogêneas entre os países, culturas e indústrias. E que o digital não será uma alternativa mais satisfatória para todos os negócios em todas as regiões do mundo.

O artigo evidencia que na Itália, por exemplo, 60% dos consumidores fizeram compras online durante o lockdown, mas menos de 10% descreveu essa experiência como sendo satisfatória. Isso sugere que provavelmente esses 60% de aumento no consumo via e-commerce não será uma tendência de longo prazo.

Nos EUA observa-se o mesmo comportamento na área da saúde. O acesso a atendimento médico de forma virtual triplicou durante os últimos meses, porém apenas cerca de 40% desses consumidores afirmam que pretendem continuar utilizando esse serviço dessa forma.

E no Brasil e na Índia, apesar de ser possível observar uma aceleração da digitalização, a continuação desse processo ainda dependerá muito de como os países farão a gestão dos próximos meses. E que não é possível determinar o quanto o acesso ao digital realmente acontecerá em todas as estruturas sociais.

A missão das marcas será identificar como os consumidores consomem e buscam informação. Quais serão os novos canais de acesso a produtos? Como se darão as novas experiências de compra nesse novo modelo de mundo — com tantas variações por região, cultura e indústria?

Certamente temos muito mais perguntas do que respostas ainda, principalmente porque as tendências de longo prazo ainda estão se modificando. E junto a esses impactos, inclusive a nossa noção de médio e longo prazo também. Muitas oportunidades novas surgirão. E aí, como você pode aplicar essas tendências ao seu negócio?

#pricing #precificacao #precificacaodeserviços #preçoevalor #consumo #tendenciasdeconsumo

Larissa Sielichoff é CEO na Priceloop, mestre em administração e especialista em gestão financeira e precificação. Tem mais de 10 anos de atuação em estratégia e viabilidade de negócios na área de precificação. Desenvolveu uma metodologia exclusiva de Estratégia de Precificação baseada em valor.

🔥 Ajudo você a ter autonomia e confiança para precificar seus serviços. | Sou consultora financeira, mestre em Administração e especialista em Precificação.

🔥 Ajudo você a ter autonomia e confiança para precificar seus serviços. | Sou consultora financeira, mestre em Administração e especialista em Precificação.